Vacina quadrivalente contra HPV estará disponível na rede pública em 2014

Acesse:http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2013/07/1304279-vacina-quadrivalente-contra-hpv-estara-disponivel-na-rede-publica-em-2014.shtml

O Ministério da Saúde anunciou, nesta segunda-feira (1º), a oferta da vacina quadrivalente contra o HPV na rede pública de saúde. Em 2014, serão vacinadas meninas de 10 e 11 anos.

Hoje essa vacina está disponível, no país, apenas na rede privada (ao custo médio de R$ 300 a dose) e em algumas localidades em que o poder público local optou por oferecê-la –por exemplo, no Distrito Federal e em São Francisco do Conde (BA).

O vírus do HPV está relacionado a diversos tipos de câncer, mas principalmente ao câncer de colo do útero (em 95% dos casos) e ao aparecimento de verrugas genitais. Estima-se que 685 mil pessoas sejam infectadas pelo HPV a cada ano no Brasil.

Hoje, o ministério concluiu um processo de dois anos de análise sobre a incorporação dessa vacina e anunciou a opção feita pelo Brasil. A escolha foi pela vacina quadrivalente (da americana MSD), com transferência de tecnologia para o Instituto Butantan (SP).

Só em 2014, com a aquisição de 12 milhões de doses (serão três por menina), o Executivo gastará R$ 360,7 milhões –R$ 30 por dose. Outros R$ 300 milhões serão investidos por governo federal, Butantan e governo de São Paulo em uma nova fábrica de produção da vacina.

Editoria de Arte/Editoria de Arte/Folhapress

MENINAS DE 10 ANOS

A meta do Ministério da Saúde será cobrir pelo menos 80% do público-alvo, estimado em 3,3 milhões de meninas. Para tanto, uma campanha de informação deve ter início já no segundo semestre desse ano, com foco não só nas meninas mas também em professores e suas famílias.

O governo escolheu a faixa etária 10 e 11 anos para garantir que as meninas estejam imunizadas antes do início de qualquer tipo de atividade sexual. Isso porque o vírus do HPV pode ser transmitido por diversas formas de contato íntimo, mesmo sem que haja uma relação sexual de fato.

Segundo Jarbas Barbosa, secretário de vigilância em saúde da pasta, uma pesquisa feita em 2012 com estudantes identificou que 18,3% das meninas da 9ª série do ensino fundamental (13 a 15 anos) já tinham tido relações sexuais, índice que subia para 25,5% na região Norte.

Uma das preocupações do governo, que deve ser alvo da campanha de informação, é fazer com que as meninas e suas famílias entendam que, mesmo após a vacina, continua sendo necessário o uso da camisinha e as idas frequentes ao ginecologista.

“A menina não pode ficar com a ilusão que a vacinação dispensa a camisinha. A vacina não protege contra HIV, contra a gravidez indesejada. Além disso, protege para a maior proporção dos tipos de câncer, mas não protege 100%”, diz Barbosa.

Segundo ele, estima-se que a vacina tenha efetividade acima de 90% na proteção do câncer –o que só poderá ser comprovado nas próximas décadas, já que o câncer leva muitos anos para se desenvolver.

Barbosa afirmou que a pasta ainda estuda a oferta dessa vacina para meninos, o que pode ocorrer no futuro.

E, mesmo sem vacinar todos os adolescentes do país, a vacina deverá oferecer uma proteção “de rebanho” por diminuir o potencial espaço de circulação do vírus, explica o ministério. “Os Estados Unidos vacinaram 35% das meninas. Mesmo assim, um estudo publicado há duas semanas mostrou que a prevalência do HPV teve redução de 52%”, afirma Barbosa.

DOSES NA ESCOLA E NO POSTO

O ministério vai adotar um modelo que mistura a oferta da vacina nas escolas (públicas e privadas) e nos postos de saúde. A ideia é que a primeira dose seja oferecida nas escolas e as seguintes nos postos ou nas escolas, a depender da organização do município.

Em todos os casos, deverá haver uma autorização dos pais ou responsáveis pela menina.

Esse esquema de vacinação deverá ser acompanhado por um novo sistema de contabilidade do governo, que levará em conta a pessoa em que se aplica a vacina e não o número de doses dadas. Assim, diz o secretário, o ministério poderá ter um controle individual sobre as doses aplicadas e controlar melhor eventuais falhas na segunda e terceira doses –e até enviar SMS para a família comparecer ao posto.

A vacina escolhida pelo governo brasileiro foi a da empresa americana MSD. Ela protege contra quatro subtipos do vírus, dois relacionados ao câncer e dois a verrugas genitais. O laboratório testa a ampliação dessa vacina para que ela proteja contra nove subtipos.

“Estamos oferecendo a melhor vacina para o HPV, e já temos compromissos de transferência da nonavalente”, afirmou o ministro da Saúde Alexandre Padilha.

Curiosidades na internet

About these ads

Leave a Reply

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s