Supertelescópio no Chile captura imagem de ‘fábrica de poeira’ de supernova

Acesse:http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/01/140107_telescopio_chile_poeira_supernova_an.shtml

Uma enorme quantidade de poeira (vermelho) foi detectada no centro da supernova

Imagens impressionantes de uma recente supernova transbordando com poeira fresca foram capturadas por um telescópio no deserto do Atacama, no Chile.

É a primeira vez que astrônomos testemunharam a origem dos grãos que formaram as galáxias no chamado universo primordial, a primeira fase de formação do universo após o Big Bang.

As fotos foram capturadas pelo telescópio Alma (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array), e foram reveladas na 223ª reunião da American Astronomical Society.

As imagens da supernova, uma explosão estelar, serão divulgadas na publicação científica Astrophysical Journal Letters.

Desvanecimento de gigantes

O universo está cheio de pequenas partículas sólidas – desde as faixas escuras que vemos na Via Láctea às belas nuvens nas fotos icônicas do telescópio espacial Hubble, lançado em 1990.

A poeira cai nos planetas e ajuda na formação de estrelas. Mas apesar de sua onipresença, não há evidências concretas de sua origem.

No universo de hoje, boa parte dessa poeira se forma em torno de estrelas que estão morrendo (AGB). Mas essas gigantes não estavam por perto no início do universo.

“É o mesmo problema que temos na minha casa – há uma grande quantidade de poeira e não sabemos de onde vem. O espaço é um lugar bastante confuso”, brincou Remy Indebetouw, astrônomo do National Radio Astronomy Observatory.

“Então usamos um dos telescópios mais avançados tecnologicamente, o Alma, e tentamos descobrir como a poeira era formada no universo primordial.”

“Há algum tempo acredita-se que as supernovas são as criadoras das poeiras nas galáxias. Mas pegar uma no ato está longe de ser coisa fácil.”

“E mesmo quando conseguimos observar uma supernova envolvida por uma nuvem de poeira, há a velha questão da galinha e do ovo: como sabemos que a nuvem não estava lá antes?”

Incômodo’

Para resolver a questão, um grupo de astrônomos do Grã-Bretanha e dos Estados Unidos usou o Alma para observar os restos brilhantes da 1987A, a supernova mais próxima observada recentemente, a 168 mil anos-luz da Terra.

Eles observaram que, enquanto o gás esfriava após a explosão, moléculas sólidas se formavam no centro a partir de átomos de oxigênio, carbono, e silício.

Observações anteriores do 1987A com o telescópio de infravermelhoHerschel só haviam detectado uma pequena quantidade de poeira quente.

Mas, graças ao poder do telescópio Alma, apenas 20 minutos foram necessários para capturar a evidência diante das câmeras.

“Nós encontramos uma notável massa de pó concentrada na parte central do material ejetado (nuvem de partículas)”, disse Indebetouw.

“E tudo importa – a área vermelha que você vê no centro da imagem – estava lá no núcleo da estrela antes dela explodir. Isso é emocionante.

“As pessoas pensam em poeira como um incômodo, algo que fica no seu caminho. Mas na verdade é algo muito importante.”

Enquanto supernovas sinalizam a destruição de estrelas, elas também são a fonte de novos materiais e de energia, diz Jacco van Loon, da Universidade de Keele, coautor do estudo.

“Nossa vida seria muito diferente sem os elementos químicos que foram sintetizados em supernovas ao longo da história”, disse ele.

“Os grãos são incrivelmente difíceis de produzir no vasto vazio do espaço. E se supernovas realmente produzem muitos deles, isto tem consequências muito importantes e positivas para a eventual formação do Sol e da Terra.”

Curiosidades na internet

Formação de planeta gigante pode ter sido captada por telescópio

Acesse:http://www.oficinadanet.com.br/post/10039-formacao-de-planeta-gigante-pode-ter-sido-captada-por-telescopio

Os astrônomos do Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês), acreditam que conseguiram observar a formação de um protoplaneta, ou seja, um planeta gigante

Formação de planeta gigante pode ter sido captada por telescópio

Os astrônomos do Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês), acreditam que conseguiram observar a formação de um protoplaneta, ou seja, um planeta gigante. O corpo celeste em questão foi encontrado quando ainda estava se desenvolvendo, isto é, ele ainda estava envolto por um disco de gás e poeira.

A equipe liderada por Sacha Quanz, do Instituto de Tecnologia de Zurique, na Suíça, foi responsável por encontrar o planeta em formação, ao qual ainda estava rodeando a jovem estrela HD100546. A descoberta surgiu quando a equipe estava estudando o disco de gás e poeira ao redor da estrela, que está situada a 335 anos-luz da Terra.

“Até agora, a formação de planetas tem sido um tópico desenvolvido essencialmente por simulações de computador”, diz Sascha Quanz. “Se a nossa descoberta for confirmada como realmente um planeta em formação, então pela primeira vez os cientistas poderão estudar de forma empírica o processo de formação planetária e a interação entre um planeta em formação e o seu meio circundante, desde a fase primordial.”

Caso a descoberta seja mesmo confirmada, tal achado ajudará melhor na compreensão de como surgem os planetas.

Curiosidades na internet

Telescópios registram imagem de estrela que está morrendo

Acesse:http://revistaepoca.globo.com/Ciencia-e-tecnologia/noticia/2012/10/telescopis-registram-imagem-de-estrela-que-esta-morrendo.html

O astro NGC 7293, conhecido como Nebulosa da Hélice, está localizado a 650 anos-luz da Terra

nebulosa hélice (Foto: NASA/AP)Imagem capturada por telescópias americanos mostra a estrela anã branca NGC 7293, conhecida como Nebulosa da Hélice. (Foto: NASA/AP)

 

Os telescópios Spitzer e Wise, da agência espacial americana (Nasa), e Galaxy Evolution Explorer (Galex), do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), registraram uma imagem da estrela anã branca NGC 7293, conhecida como Nebulosa da Hélice, que está morrendo.

O astro está localizado a 650 anos-luz da Terra, na Constelação de Aquário. É um exemplo de uma nebulosa planetária, corpos celestes descobertos no século XVIII que receberam essa denominação erroneamente por serem parecidos com planetas gasosos. Nebulosas planetárias são restos de estrelas que um dia se pareceram com o Sol.

Antes de a estrela morrer, seus cometas e possíveis planetas teriam estado em sua órbita de maneira ordenada. Quando a estrela deixou de queimar hidrogênio e explodiu suas camadas exteriores, corpos celestes gelados e planetas externos teriam sido jogados uns contra os outros, levantando uma tempestade de poeira cósmica. O brilho roxo no centro da imagem é uma combinação de registros do disco de poeira que circula a anã branca. Esse pó foi provavelmente lançado por cometas que sobreviveram à morte de sua estrela original

Curiosidades na internet

Pesquisadores criam o maior mapa em 3D do universo

Acesse:http://canaltech.com.br/noticia/ciencia/Pesquisadores-criam-o-maior-mapa-em-3D-do-universo/

Estrelas Espaço Universo

Pesquisadores do observatório Apache Point, no Novo México, Estados Unidos, criaram o maior mapa em três dimensões do universo, incluindo galáxias que datam de mais de sete bilhões de anos. O mapa foi criado em parceria com a Sloan Digital Sky Survey III.

Galáxia mapa 3D do universoO mapa irá ajudar os pesquisadores a desvendarem os grandes mistérios da astronomia

“O SDSS-III começou a coletar dados do universo em 2008, e continuará até 2014, usando o telescópio da Fundação Sloan de 2,5 metros no observatório Apache Point. O SDSS-III consiste em quatro pesquisas, cada uma focada em um dado científico diferente”, afirmaram os pesquisadores.

De acordo com o Mashable, o telescópio de alta definição é utilizado para captar imagens do universo quadro por quadro. As descobertas feitas pelo telescópio são usadas para juntar todas as imagens fascinantes do universo e suas galáxias.

A animação criada pelo projeto mostra mais de 40 mil galáxias diferentes e cada uma delas está a mais de mil anos luz de distância uma das outras.

Segundo o Sci-News, com o mapa os pesquisadores acreditam que poderão desvendar alguns dos mistérios da astronomia como a questão da ‘matéria escura’, que impede a absorção e dispersão da luz e energia escura, que acelera a expansão do universo.

Confira abaixo o vídeo criado pelo projeto com as imagens do universo:

Curiosidades na internet