GVT tem quase 500 vagas abertas pelo Brasil

Acesse:http://olhardigital.uol.com.br/pro/noticia/40009/40009

(Foto: Logo)

A GVT procura 489 profissionais nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul para ampliar seu quadro de auxiliares, instaladores, reparadores e supervisores de manutenção e instalação. Os interessados devem cadastrar o currículo no site da operadora.

“Nos concentramos em identificar potenciais e talentos humanos que hoje são considerados imprescindíveis para o sucesso e sustentabilidade do capital intelectual de uma organização”, comenta Juliana Lopes, coordenadora de RH da empresa.

As vagas são disponibilizadas em 36 cidades, mas a companhia não informa quais são elas. A pedido do Olhar Digital, a GVT listou abaixo alguns dos pré-requisitos necessários para concorrer às oportunidades.

Auxiliar
Imprescindíveis:
– Experiência e habilidades com trabalhos manuais técnicos (ferramentas, fios, tomadas, eletricidade).
– Alguma experiência de atendimento ao cliente.
Desejáveis:
– Carteira de motorista B vigente.
– Conhecimento em energia elétrica.
– Curso técnico em telecomunicações ou informática.

Instalador:

Imprescindíveis:
– Experiência na área de Elétrica, Eletrônica ou afins.
– Experiência de atendimento ao cliente.
– Experiência de trabalho em altura.
Desejáveis:
– Capacitação e experiência na tecnologia ADSL e TV por assinatura, em instalação e reparo.
– Conhecimentos técnicos de redes interna e externa.
– Conhecimento de informática (hardware e software), redes de computadores, modem e roteadores.
– Conhecimento do mercado da região.

Reparador

– Experiência com instalação de linhas telefônicas (voz e dados).
– Amplo conhecimento de redes internas.
– Habilidade com trabalho manual técnico.
– Experiência de atendimento ao cliente.
– Experiência de trabalho externo/campo.

Curiosidades na internet

Entenda o que pode mudar com uma possível venda da TIM

Acesse:http://corporate.canaltech.com.br/materia/tim/Entenda-o-que-pode-mudar-com-uma-possivel-venda-da-TIM/

tim

No começo da semana, o grupo Telefónica fechou um acordo para aumentar sua fatia na Telco, holding que controla a Telecom Italia, no que poderia garantir à empresa ser a maior acionista da Telecom Italia.

A Telefónica é uma empresa espanhola, enquanto a Telecom Italia é obviamente de capital italiano. Ainda assim, o país mais afetado pela negociação seria definitivamente o Brasil. Isso porque a Telefónica controla as operações da Vivo, enquanto a Telecom Italia controla a TIM Brasil.

Como já explicamos aqui, o acordo deve passar por uma complexa análise antitruste no Brasil antes de ser aprovado. As regras do setor de telecomunicações no nosso país não permitem a um grupo ter o controle de duas empresas que atuam na mesma região.

Qual a solução?

A Telefónica tem algumas opções para solucionar esse problema, se realmente finalizar o acordo com a Telecom Italia.

Telefonica

A primeira e óbvia seria unificar as bases de clientes das duas empresas em um único espectro (em outras palavras, se tornariam uma operadora só). O problema dessa solução é que isso poderia representar uma grande queda na qualidade do serviço, já que a base de clientes que hoje usa faixas de duas operadoras seria “afunilada” na frequência de apenas uma. Sendo assim, seria muito difícil que o governo federal aprovasse a negociação nesses termos.

Outra possível solução seria a venda da TIM Brasil para outra empresa. Ela poderia ser desmembrada e vendida em partes para Claro, Oi e até a própria Vivo. A venda da TIM Brasil seria benéfica para as três operadoras, o que poderia elevar a rentabilidade de seus serviços e trazer melhorias na qualidade e infraestrutura.

GVT e Vodafone entram na história

Existe uma terceira saída, que pode causar uma mudança bem mais radical no mercado de Telecom no Brasil: a compra da TIM e da GVT, juntas, para alguma nova operadora começar a atuar no país.

Os rumores de que a GVT estaria a venda já circulam há cerca de um ano. Contudo, o grupo francês Vivendi, que comprou em 2009 a até então nacional GVT, não conseguiu uma oferta próxima dos € 7 bilhões que gostariam para fechar negócio.

A GVT possui serviços de TV, internet e telefone fixo no Brasil, mas não atua como operadora móvel – um mercado bastante fechado e difícil de entrar para competir com as quatro grandes. Mas unificando os serviços de TIM e GVT, bem como sua base de clientes, uma nova operadora poderia começar suas operações no Brasil já como uma gigante. E a maior candidata é a britânica Vodafone.

Vodafone

Vodafone já teve outras oportunidades de investir em grandes operações no Brasil. Os britânicos foram sondados pela Anatel em leilões de faixas de frequência, mas a empresa nunca se interessou no passado. Contudo, recentemente, a Vodafone fechou uma das maiores negociações da história, com a venda da sua participação da Verizon Wireless para a operadora americana Verizon, pelo valor de impressionantes US$ 130 bilhões.

Com dinheiro sobrando caixa, os rumores são de que a empresa pode oferecer cerca de US$ 20 bilhões por TIM e GVT – 10 bilhões por cada uma. Essa ideia certamente agrada ao governo federal, que há tempos gostaria de ver uma nova concorrente no mercado de telecom brasileiro, com a esperança de que a qualidade dos serviços melhorasse.

Seja qual for o caminho tomado, a verdade é que muito provavelmente o setor de telecomunicações no Brasil está prestes a sofrer grandes mudanças. Resta saber quais serão.

Curiosidades na internet

GVT planeja levar o telefone fixo ao celular por meio de aplicativo

Acesse:http://canaltech.com.br/noticia/telecom/GVT-planeja-levar-o-telefone-fixo-ao-celular-por-meio-de-aplicativo/

GVT

Depois de anunciar seus planos para a criação de uma rede Wi-Fi pública até junho deste ano, a operadora GVT anunciou que planeja levar os recursos do telefone fixo para o celular por meio de um aplicativo em 2013. Com isso, os clientes da operadora poderão usar sua linha residencial diretamente no seu aparelho móvel e em qualquer lugar.

Ricardo Sanfelice, diretor de marketing e produtos da GVT, afirmou em entrevista ao site Telesíntese que todos os clientes da empresa poderão utilizar o recurso, que permitirá que os usuários realizem e recebam ligações com telefone fixo no seu celular em redes 3G e Wi-Fi.

“O telefone fixo da GVT poderá ser levado para qualquer lugar. Qualquer cliente da GVT poderá entrar em uma app store, baixar o aplicativo, no qual ele vai acessar o telefone fixo. Por exemplo: se ele estiver usando uma rede 3G ou uma rede Wi-Fi, quando for fazer uma ligação telefônica o aplicativo pergunta se quer fazer via rede móvel ou via a linha fixa da GVT”, explicou Sanfelice.

CelularA empresa planeja lançar o aplicativo ainda este ano

A empresa acredita que seus usuários irão economizar nas chamadas, pois não precisarão utilizar a rede convencional de sua operadora móvel para realizar ligações para números fixos, por exemplo. No entanto, especialistas acreditam que se o plano da GVT vingar, quem não vai ficar muito contente com o aplicativo serão as outras operadoras.

Curiosidades na internet

TIM define nas próximas semanas se irá fazer uma oferta para a compra da GVT

Acesse:http://canaltech.com.br/noticia/telecom/TIM-define-nas-proximas-semanas-se-ira-fazer-uma-oferta-para-a-compra-da-GVT/

TIM São Paulo

A Telecom Itália deverá decidir nas próximas semanas o rumo dos seus negócios tanto na Itália como no Brasil e deverá anunciar se irá ou não realizar uma proposta de compra da operadora GVT, da empresa francesa Vivendi. As informações são da Reuters.

Fontes ligadas à companhia afirmaram que as mudanças e a discussão de novos negócios visam ajudar a empresa a sair do endividamento e fortalecer as ações da TIM no Brasil, sua principal fonte de rendimentos nos últimos anos.

Telecom ItáliaA compra da GVT está estimada em 7 bilhões de euros

O presidente do conselho, Franco Barnabe, deverá convencer os acionistas – que inclui a Telefonica – de que a compra da GVT pode ser extremamente lucrativa para a companhia, mesmo com seu valor de compra estimado em sete bilhões de euros (R$ 18,8 bilhões). “A opção da GVT veio do nada e a direção precisa deixá-la mais clara”, afirmou uma das fontes consultadas pela reportagem.

Curiosidades na internet

TV a cabo: operadoras mudam seus pacotes para cumprir novas regras da Ancine

Acesse:http://canaltech.com.br/noticia/tvs/TV-a-cabo-Operadoras-mudam-seus-pacotes-para-cumprir-novas-regras-da-Ancine/

tv a cabo 2

Nesta quinta-feira (1), começaram a valer as novas regras para a TV a cabo, fazendo com que operadoras brasileiras mudem seus pacotes oferecendo canais com mais produções nacionais independentes, com base na regulamentação da Agência Nacional do Cinema (Ancine).

Pela lei 12.485/2011, ficou determinado que a partir do primeiro dia de novembro todas as operadoras deveriam mudar seus pacotes e incluir canais brasileiros. Ainda segundo as normas, os canais deverão oferecer 12 horas diárias de produção nacional independente ou disponibilizar ao menos três horas de conteúdo brasileiro em suas programações.

Algumas das principais empresas do setor como Claro TV, Oi TV, Vivo TV e GVT não comentaram sobre a nova regulamentação. A NET, por meio de uma nota oficial, afirmou que estará incluindo em seus planos canais como Curta! O Canal Independente, BandNews, +Globosat, Off e Bis.

O presidente da Sky, Luiz Eduardo Baptista, criticou a decisão da Ancine durante a apresentação da nova parceria da empresa com a companhia aérea Azul. “Tem canal que está há 20 anos no mercado e não foi qualificado. Outros que nem existem foram incluídos”, ressaltou.

TV a caboTambém foi determinada a veiculação de 3h30 diárias de produção nacional em canais estrangeiros

Baptista ainda afirmou que a data é considerada um marco inicial para as mudanças estipuladas, e que seria muita ingenuidade acreditar que as operadoras já teriam novos pacotes com canais nacionais e produção independente disponíveis nesse dia.

“Houve uma intensa movimentação por parte das empacotadoras (operadoras a cabo) para ajustar seus planos de acordo com a lei aos assinantes. E isso ocorreu de forma positiva, vale ressaltar”, afirmou à Folha de S. Paulo Manoel Rangel, diretor-presidente da Ancine.

Além disso, a nova lei estipulou a veiculação de três horas e meia diárias de produção nacional em canais estrangeiros e a entrada de empresas telefônicas no setor de TV a cabo

Curiosidades na internet