Saúde irá ofertar quatro novos medicamentos para doenças pulmonares a partir de 2014

Acesse:http://noticias.r7.com/saude/saude-ira-ofertar-quatro-novos-medicamentos-para-doencas-pulmonares-a-partir-de-2014-08112013

Remédios para hipertensão pulmonar e câncer de pulmão serão disponibilizados pelo SUS

Portadores de hipertensão arterial pulmonar têm dificuldade em respirar, pois as artérias pulmonares se tornam mais estreitas e o coração faz mais força para bombear o sangue até os pulmõesGetty Images

 

O Ministério da Saúde irá oferecer quatro novos medicamentos pelo SUS (Sistema Único de Saúde). A partir de 2014, serão disponibilizados os medicamentos ambrisentana e bosentana para hipertensão arterial pulmonar. Já os remédios erlotinibe e gefitinibe serão para pacientes com câncer de pulmão. Cerca de 5.000 pessoas serão beneficiadas com essa medida. A autorização da incorporação foi publicada nesta sexta-feira (8), no DOU (Diário Oficial da União).

O custo do tratamento mensal com medicamentos para hipertensão arterial pulmonar será de R$ 530. O ministério negociou preços e conseguiu a redução de cerca de 50% em relação ao valor inicial proposto. No total, serão investidos R$ 12,5 milhões na compra de remédios ao ano.

Mortes por câncer caem em nove países das Américas, incluindo o Brasil

A compra dos medicamentos acontecerá em hospitais e serviços de saúde com tratamento para câncer, mediante financiamento via APAC (autorização de procedimento de alto custo). Não implicará em aumento de custos para o SUS.

Medicação

Os portadores de hipertensão arterial pulmonar têm muita dificuldade em respirar, pois as artérias pulmonares se tornam mais estreitas e o coração precisa fazer mais força para bombear o sangue até os pulmões. Tanto a ambrisentana como a bosentana fazem com essas artérias se dilatem, diminuindo a pressão sanguínea e aliviando os sintomas. Dois em cada três pacientes precisam do tratamento com esses remédios. No ano passado, foram registradas 1.181 internações e 633 mortes pela doença.

Já os outros dois medicamentos para o câncer de pulmão (erlotinibe e gefinibe), inibem o crescimento, multiplicação e a sobrevida das células com tumor. Segundo o ministro da saúde, Alexandre Padilha, “uma novidade importante deste tipo de medicamento é o fato de possibilitar que o tratamento ocorra dentro de casa, melhorando a qualidade de vida do paciente e da família”.

Novo remédio aumenta sobrevivência de pacientes com câncer de pulmão

No ano passado, 18.154 pessoas foram internadas. O câncer de pulmão é o segundo mais comum e o de maior letalidade no Brasil. De acordo com o Inca (Instituto Nacional do Câncer), 27 mil pessoas adquirem a doença por ano.

— Segundo estimativas, estes medicamentos devem atender a cerca de 20% dos pacientes que, atualmente, são portadores de câncer de pulmão. São medicamentos extremamente caros, e muitas pessoas, não poderiam ter acesso a eles se não fosse pelo SUS.

Curiosidades na internet

Farmacêuticos podem receitar medicamentos que não exijam prescrição médica

Acesse:http://noticias.r7.com/saude/farmaceuticos-podem-receitar-medicamentos-que-nao-exijam-prescricao-medica-25092013

Profissionais vão poder prescrever analgésicos, remédios tópicos e fitoterápicos

Agência Estado

Farmacêutico é o profissional que melhor pode orientar os pacientes, já que é o seu campo de estudo Getty Images

A partir desta quarta-feira (25),receitar Dia Internacional do Farmacêutico, profissionais da categoria em todo o País vão poder receitar medicamentos que não exigem prescrição médica. A resolução do CFF (Conselho Federal de Farmácia) será publicada hoje no Diário Oficial da União. Com a nova regulamentação, os farmacêuticos vão poder receitar, por exemplo, analgésicos, medicamentos tópicos e fitoterápicos.

Para o presidente do CRF-SP (Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo), Pedro Menegasso, a medida vai formalizar o que já era um hábito. “As farmácias são obrigadas a ter um farmacêutico e esse auxílio já é dado informalmente.”

A regulamentação foi aprovada pelo CFF nove dias depois de o Congresso Nacional aprovar os vetos feitos por Dilma Rousseff à Lei do Ato Médico. A lei prevê que o ato de prescrever tratamentos não é exclusiva para formados em Medicina.

Para o presidente do CRF-SP, a aprovação das mudanças poucos dias depois da aprovação dos vetos ao Ato Médico foi coincidência. “A decisão de prescrever medicamentos que não exigem receita médica não entra na área deles (dos médicos). Todo medicamento oferece riscos. O farmacêutico é o profissional que melhor pode orientar os pacientes, já que é nosso campo de estudo.”

Para o primeiro-secretário do CFM (Conselho Federal de Medicina), Desiré Callegari, “a lei que regulamenta a profissão do farmacêutico não prevê o diagnóstico de doenças e a prescrição de tratamentos”. O CFM deve se pronunciar oficialmente hoje

Curiosidades na internet

Medicamentos e estresse podem provocar queda de cabelos

Acesse:http://r7.minhavida.com.br/saude/materias/10400-medicamentos-e-estresse-podem-provocar-queda-de-cabelos

Ela pode ser o início de uma calvície e precisa de tratamento

Quando o cabelo começa a ficar escasso, o pânico surge. Muitas vezes, dá para ver os fios espalhados nas roupas, no travesseiro e na escova, mas em outras, só fica a impressão de que o volume diminuiu. E é aí que surge a dúvida: é queda de cabelo ou calvície? Segundo a tricologista Sheila Belotti é normal que uma pessoa perca entre 50 a 100 fios por dia. Porém, é preciso ficar atento. “A queda só é normal quando o fio que caiu é substituído por outro que está nascendo. Assim, a quantidade se mantém equilibrada”, explica. A seguir, a especialista tira as principais dúvidas sobre o assunto.

Queda de cabelo

Existe diferença entre a queda anormal de cabelo e a calvície?
Sim. A queda anormal dos fios pode ser considerada uma etapa da calvície, resultante de fatores como a baixa quantidade de ferro no organismo, estresse, disfunções da tireoide e uso de medicamentos, por exemplo. A queda de cabelo é denominada de eflúvio telógeno, uma queda mais violenta que a perda natural dos fios, com perda de cerca de 300 fios ao dia. Esse tipo de queda pode ser até patológico. Um paciente com doença renal, por exemplo, pode sofrer um eflúvio telógeno e perder muito cabelo. Neste caso, um nefrologista vai cuidar da doença e um tricologista ajudará o paciente a nutrir e estimular novos fios. Já a calvície androgenética (andro = hormônio masculino e genético = predisposição transmitida por genes) pode ocorrer tanto em homens quanto em mulheres, mas é muito mais comum no sexo masculino. A disfunção é resultado da junção do hormônio DHT (dihidrotestosterona) com a enzima 5 (alfa-redutaze II). O hormônio atua no bulbo capilar (raiz), fazendo o fio nascer atrofiado (miniaturização) e mais fino, levando a rarefação capilar. Essa diminuição sinaliza a calvície.

“A queda só é normal quando o fio que caiu é substituído por outro que está nascendo. Assim, a quantidade se mantém equilibrada”

As vitaminas presentes no organismo influenciam na perda de cabelos? 
Sim, tanto a falta quanto o excesso de vitaminas pode levar à queda. Geralmente, a falta de magnésio, ferroe vitamina B predispõe a perda dos fios. O excesso também pode provocar a queda. O excesso de cobre no organismo, por exemplo, pode provocar a anemia hemolítica, que resulta na perda dos fios.

O uso de certos medicamentos pode levar à queda capilar?
Sim. Geralmente, antidepressivos, anfetaminas, medicações para emagrecimento e para tratamento de acne. Esse tipo de medicamento deve apresentar o tipo de efeito colateral na bula. A busca pelo aconselhamento médico é crucial para tirar as dúvidas sobre a atuação deles no organismo.

Queda de cabelo

Durante a gravidez pode ocorrer perda de cabelo? 
Sim. O crescimento do cabelo é dividido basicamente em três fases (anágena, catágena e telógena).
Fase Anágena: corresponde ao crescimento ativo do cabelo. Dura de três a seis anos.
Fase Catágena: é o período de regressão, ou seja, o cabelo começa a morrer. Dura três semanas.
Fase Telógena: dura aproximadamente três meses, onde o cabelo morto é empurrado por um novo fio anágeno.
Durante a gravidez, a fase anágena é prolongada. Isso quer dizer que cerca de 90% dos cabelos permanecem. Mas, após o parto, os fios entram em fase catágena e telógena e, até quatro meses após o nascimento do bebê, a queda de cabelos pode ser intensa, caracterizada como eflúvio telógeno. O quadro pode se agravar por conta de complicações anestésicas, quantidade baixa de proteínas no organismo e pela amamentação. Durante a gestação, é possível trabalhar a fibra capilar, mas não há como prever ou tratar um possível quadro de eflúvio capilar pós-parto que ainda não aconteceu.

É possível ficar completamente sem cabelos por causa de estresse? 
Em situações extremas, sim. Geralmente, o estresse provoca o eflúvio telógeno. Porém, o que merece atenção especial é o estresse oxidativo, que compromete o sistema circulatório periférico, afetando a fixação dos fios. Altas taxas do hormônio cortisol no organismo, resultante de estresse contínuo, também está na lista dos fatores que influenciam na queda de cabelo.

O que fazer para evitar o problema?
É preciso ter uma alimentação balanceada, rica em vitaminas e proteínas, manter o equilíbrio mental e praticar exercícios físicos. Mexer o corpo gera substâncias como a noradrenalina e adrenalina, favorecendo a circulação sanguínea e, portanto, a nutrição e absorção de elementos ativos pelos fios.

Quais os tratamentos utilizados para combater a queda de cabelo?
Geralmente, o tratamento é individualizado para que os ativos (jaborandi, cisteína,piridoxina, D-Pantenol, vitaminas, aminoácidos, fitoterápicos, inibidores de andrógenos) sejam escolhidos de acordo com o problema a ser tratado. Hoje, o método mais moderno é associar vários procedimentos para estimular, nutrir e reativar o nascimento de fios.

Uma vez que acontece, o problema de queda de cabelo pode ser recorrente? 
Depende da razão da queda. Caso seja, por exemplo, uma predisposição genética, sim. Porém, fazer uso de medicamentos que provoquem queda é uma situação que pode ser revista pelo médico.

A queda capilar pode ser resultante dos seguintes processos: 

– Androgenia (herança genética de perda capilar)
– Deficiência de ferro
– Estresse
– Anestesias prolongadas
– Síndromes e patologias
– Alguns medicamentos
– Problemas na tireoide
– Danos químicos provocados por agentes externos (por exemplo, escova de formol)
– Exposição demasiada ao sol (fotoenvelhecimento capilar)

Curiosidades na internet

Tablet para idosos é lançado nos Estados Unidos

Acesse: http://www.techmestre.com/tablet-para-idosos-e-lancado-nos-estados-unidos.html

Aparelho é mais simples, com letras grandes e som amplificado.

A fabricante Claris Companion criou um modelo diferente de tablet, com maior simplicidade, letras grandes e som amplificado. A ideia é atender perfeitamente a pessoas de idade mais avançada.
.
O tablet conta com uma tela de 10 polegadas, além de ferramentas para testes de diabetes, lembretes de consultas e medicamentos (que até emitem mensagens para familiares em caso de esquecimento), resumo de atividades diárias e outras funções para os idosos.
.
O aparelho está sendo vendido nos Estados Unidos com opções diversas de contrato. No plano básico de dois anos, ele pode ser adquirido por US$ 99 (cerca de R$ 200), com uma mensalidade de US$ 59 (aproximadamente R$ 120). Existe o plano vitalício, que não requer pagamento de mensalidade e sai por US$ 995 (quase R$ 2.000).
.

Curiosidades na internet

Uma possível cura para a calvície

Acesse:http://www.vocesabia.net/saude/uma-possivel-cura-para-a-calvicie/

capa_calvicie

Cientistas encontraram uma proteína na qual é responsável pela queda de cabelo, mais conhecida como calvície.

Esta proteína, pode inibir a queda, mas onde já houve a perda do cabelo é irreversível.

Foram realizados testes com o couro cabeludo de mais de 20 homens com queda. Os resultado foi que as áreas calvas revelaram altos níveis da proteína PGD2, três vezes maiores do que as áreas com cabelo.

Por existir em média 10 medicamentos que bloqueiam os receptores de PGD2, a partir, os cientistas poderiam desenvolver um creme ou óleo.

Futuros estudos são esperados para investigar se os inibidores da proteína também poderiam ajudar nos casos de calvície feminina.

Curiosidades  na internet

Siga estes 10 passos para controlar a pressão alta

Acesse:http://www.minhavida.com.br/saude/materias/1610-siga-estes-10-passos-para-controlar-a-pressao-alta

Dê mais atenção ao que você come, as suas emoções e pratique mais esportes

A hipertensão arterial ou, simplesmente, pressão alta é gatilho certo para uma série de males — e não só aqueles que envolvem o sistema circulatório. “Normalmente, um paciente com pressão igual ou superior a 140/90mmHg é diagnosticado como hipertenso. São pessoas mais sujeitas a sofrer com falhas no coração, nos rins e até no cérebro” explica o cardiologista Enéas Rocco.
.
A doença é crônica (não tem cura, mas pode ser controlada) e, por isso, é importante fazer exames regulares para detectar como andam seus batimentos cardíacos. Mas atenção: ter pressão alta não é sinônimo de ser hipertenso.
.
“Para ser considerado hipertenso, o paciente tem de permanecer com a pressão mais alta do que o normal” , diz o médico. Isso porque, momentaneamente, qualquer pessoa está sujeita a uma variação na freqüência cardíaca. Um esforço físico mais intenso ou momentos de estresse, por exemplo, alteram esses números.Algumas atitudes, no entanto, ajudam não só a prevenir o problema como controlam níveis já elevados de pressão. Confira a seguir uma lista delas e imprima uma marca saudável ao seu dia a dia.

Previna a hipertensão

1. Manutenção do peso ideal– o sobrepeso aumenta dificulta o esforço do coração para

Previna a hipertensão

1. Manutenção do peso ideal– o sobrepeso aumenta dificulta o esforço do coração para conseguir bombear o sangue. Na prática, o músculo é exigido demais. “Como o bíceps de quem levanta peso, o coração de uma pessoa obesa acaba hipertrofiado” , explica o cardiologista. Com um risco: as lesões causadas pelo esforço excessivo podem se tornar irrecuperáveis.

2. Prática de atividade física atividades físicas regulares, principalmente as aeróbias, contribuem para a melhora de todo o sistema circulatório e pulmonar. Só tome cuidado com os exageros: antes de começar qualquer treino, procure um especialista e faça uma avaliação geral.

3. Redução de sal – o excesso de sal na dieta leva à retenção de líquidos, acarretando a hipertensão. Por isso, maneire na hora de temperar a comida e diminua o consumo de enlatados e alimentos em conserva.

cigarro

4. Evitar bebidas alcoólicas: O álcool em grande quantidade é inimigo feroz da pressão sob controle. Corte as bebidas da sua dieta ou consuma com muita moderação.

5. Dieta saudável: Gorduras saudáveis e pouco sal são medidas indispensáveis na dieta de quem quer manter o coração saudável. Inclua ainda muitas frutas, verduras e legumes. Cortar a carne não é preciso, mas dê preferência aos cortes magros, ou seja, com menos gordura.

6. Medicamentos: se o médico recomendou, não deixe de tomar. Mas nada de sair por aí imitando a receita alheia. Vale lembrar que alguns medicamentos podem elevar a pressão, como os antiiflamatórios e anticoncepcionais, ressalta o cardiologista.

7. Cigarro: o tabaco, em conjunto às outras substâncias tóxicas do cigarro, eleva a pressão imediatamente além de comprometer toda sua saúde. Parar de fumar imediatamente é fundamental , alerta o professor de Cardiologia da Santa Casa de São Paulo, Ronaldo Rosa.

8. Estresse: ele aparece como resposta do organismo às sobrecargas físicas e emocionais, acarretando a hipertensão e doenças do coração. Controle suas emoções e procure incluir atividades relaxantes na sua rotina.

9. Exames médicos: avaliações regulares não só ajudam a identificar o problema no começo, facilitando o tratamento, como servem para adequar o uso de medicamentos de forma mais eficaz.

10. Medir a pressão: no mínimo uma vez por ano, todas as pessoas devem fazer isso. A recomendação é da Sociedade Brasileira de Hipertensão, que alerta para esse simples exame como uma forma de prevenir problemas mais sérios.

Curiosidades na internet