Supertelescópio no Chile captura imagem de ‘fábrica de poeira’ de supernova

Acesse:http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/01/140107_telescopio_chile_poeira_supernova_an.shtml

Uma enorme quantidade de poeira (vermelho) foi detectada no centro da supernova

Imagens impressionantes de uma recente supernova transbordando com poeira fresca foram capturadas por um telescópio no deserto do Atacama, no Chile.

É a primeira vez que astrônomos testemunharam a origem dos grãos que formaram as galáxias no chamado universo primordial, a primeira fase de formação do universo após o Big Bang.

As fotos foram capturadas pelo telescópio Alma (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array), e foram reveladas na 223ª reunião da American Astronomical Society.

As imagens da supernova, uma explosão estelar, serão divulgadas na publicação científica Astrophysical Journal Letters.

Desvanecimento de gigantes

O universo está cheio de pequenas partículas sólidas – desde as faixas escuras que vemos na Via Láctea às belas nuvens nas fotos icônicas do telescópio espacial Hubble, lançado em 1990.

A poeira cai nos planetas e ajuda na formação de estrelas. Mas apesar de sua onipresença, não há evidências concretas de sua origem.

No universo de hoje, boa parte dessa poeira se forma em torno de estrelas que estão morrendo (AGB). Mas essas gigantes não estavam por perto no início do universo.

“É o mesmo problema que temos na minha casa – há uma grande quantidade de poeira e não sabemos de onde vem. O espaço é um lugar bastante confuso”, brincou Remy Indebetouw, astrônomo do National Radio Astronomy Observatory.

“Então usamos um dos telescópios mais avançados tecnologicamente, o Alma, e tentamos descobrir como a poeira era formada no universo primordial.”

“Há algum tempo acredita-se que as supernovas são as criadoras das poeiras nas galáxias. Mas pegar uma no ato está longe de ser coisa fácil.”

“E mesmo quando conseguimos observar uma supernova envolvida por uma nuvem de poeira, há a velha questão da galinha e do ovo: como sabemos que a nuvem não estava lá antes?”

Incômodo’

Para resolver a questão, um grupo de astrônomos do Grã-Bretanha e dos Estados Unidos usou o Alma para observar os restos brilhantes da 1987A, a supernova mais próxima observada recentemente, a 168 mil anos-luz da Terra.

Eles observaram que, enquanto o gás esfriava após a explosão, moléculas sólidas se formavam no centro a partir de átomos de oxigênio, carbono, e silício.

Observações anteriores do 1987A com o telescópio de infravermelhoHerschel só haviam detectado uma pequena quantidade de poeira quente.

Mas, graças ao poder do telescópio Alma, apenas 20 minutos foram necessários para capturar a evidência diante das câmeras.

“Nós encontramos uma notável massa de pó concentrada na parte central do material ejetado (nuvem de partículas)”, disse Indebetouw.

“E tudo importa – a área vermelha que você vê no centro da imagem – estava lá no núcleo da estrela antes dela explodir. Isso é emocionante.

“As pessoas pensam em poeira como um incômodo, algo que fica no seu caminho. Mas na verdade é algo muito importante.”

Enquanto supernovas sinalizam a destruição de estrelas, elas também são a fonte de novos materiais e de energia, diz Jacco van Loon, da Universidade de Keele, coautor do estudo.

“Nossa vida seria muito diferente sem os elementos químicos que foram sintetizados em supernovas ao longo da história”, disse ele.

“Os grãos são incrivelmente difíceis de produzir no vasto vazio do espaço. E se supernovas realmente produzem muitos deles, isto tem consequências muito importantes e positivas para a eventual formação do Sol e da Terra.”

Curiosidades na internet

Óculos especiais para médicos permitem ver por baixo da pele

Acesse:http://olhardigital.uol.com.br/noticia/39041/39041

(Foto: reprodução)
Um novo gadget desenvolvido pela empresa americana Evena Medical pode solucionar o velho problema da enfermeira que não encontra a veia na hora do exame de sangue. A proposta do Eyes-On Glasses é permitir ao usuário ver claramente os vasos sanguíneos do paciente através da sua pele antes de dar a agulhada.
O óculos de raio-X da Evena não se aplica apenas a esta situação, mas é uma daquelas que serão resolvidas com o produto. A tecnologia é similar a outros produtos da empresa, que, no entanto, são grandes demais e pouco práticas. O Eyes-On Glasses permitiriam uma utilização mais simples e eficaz, de forma bastante parecida com o Google Glass.”Estudos mostram que 40% das injeções intravenosas requerem múltiplas tentativas para localizar e acessar a veia. Isso desperdiça o tempo dos profissionais, atrasa a terapia e causa desconforto e instaisfação do paciente”, explica Frank Balll, presidente e CEO da Evena Medical. Ele aponta que o produto poderia ser usado até mesmo em ambientes clínicos complicados, como neonatal pediátrico.

A tecnologia empregada nos óculos de raio-X é da Epson. Com isso, o gadget coleta imagens em três dimensões. Ele pode diferenciar frequências de infravermelho, que identificam a quantidade de oxigênio do sangue para identificar a veia.

O produto funciona como um óculos de realidade aumentada, que sobrepõe a imagem gerada pelos óculos com a realidade. Ele possibilita o armazenamento de fotos capturadas no procedimento e as imagens podem ser enviadas para uma equipe médica via Wi-Fi ou Bluetooth.

A expectativa é que ele seja lançado já no primeiro trimestre de 2014. Confira o vídeo que mostra como ele funciona logo abaixo:

Curiosidades na internet

Que tal alimentar seu celular com Coca-Cola ao invés de bateria?

Acesse:http://canaltech.com.br/noticia/celulares/Que-tal-alimentar-seu-celular-com-Coca-Cola-ao-inves-de-bateria/

Coca cola e celular

Recarregar a bateria de lítio presente em seus smartphones e tablets depende somente de uma conexão com a rede elétrica, certo? Mas não são todos os lugares públicos que possuem tomadas. Com base nesse pensamento, o designer chinês Daizhi Zheng desenvolveu um celular capaz de ser alimentado por algo mais doce como, por exemplo, Coca-Cola.

De acordo com o The Blog is Mine, este é o primeiro conceito de celular que utiliza uma fonte inovadora e não agressiva ao meio ambiente ao invés da bateria tradicional. Zheng afirmou que está trabalhando no novo projeto a pedido da Nokia e que qualquer bebida açucarada – incluindo até água com açúcar – seria capaz de manter o dispositivo funcionando por longas horas.

Celular Coca-ColaFotos: Divulgação

Celular Coca-Cola

A bio-bateria inventada pelo designer gera eletricidade a partir de carboidratos, utilizando enzimas como catalisadores especiais. Durante o processo, o aparelho é capaz de gerar oxigênio e água, e Daizhi Zheng afirma que a sua bateria é capaz de durar até quatro vezes mais do que as baterias convencionais e claro, é muito mais fácil de ser recarregada: apenas abrindo uma lata de refrigente e colocando o conteúdo dentro do seu compartimento.

Celular Coca-Cola

Celular Coca-Cola

O designer ainda afirma que as baterias tradicionais consomem alguns dos importantes recursos naturais para serem produzidas e quando descartadas podem comprometer o meio ambiente.

Por enquanto, o celular alimentado por Coca-Cola é apenas um conceito e ainda não há previsão para ser lançado no mercado mundial.

Curiosidades na internet

Dossiê Chocolate: Grande vilão, um incompreendido ou apenas um bom aliado da saúde?

Acesse:http://www.jornalciencia.com/saude/beleza/2442-dossie-chocolate-grande-vilao-um-incompreendido-ou-apenas-um-bom-aliado-da-saude

Quem é que não gosta de chocolate? Chocolate amargo, ao leite, branco, diet, em pó etc.

Hoje em dia, encontramos as mais variadas versões desse alimento milenar, que se origina do Cacaueiro, cujo nome científico é Theobroma cacao, planta nativa de uma região que vai do México, passando pela América Central e expandindo-se até a América do Sul.  Seu nome científico deriva de palavras gregas que significam “alimento dos deuses”. De fato, não há quem negue que essa guloseima tão consumida e apreciada não tenha um quê de especial.

Atualmente, em nossa sociedade, o chocolate é símbolo do romantismo traduzido em caixas e cestas de chocolate que são presenteados principalmente no Dia dos Namorados, representa a alegria das crianças e adultos na Páscoa, já que é o famoso protagonista vendido em larga escala em formato de ovos. Além disso, desde a Antiguidade, o chocolate é usado no tratamento de beleza, tais como em banhos relaxantes de espuma, no qual faz o papel de revitalizar e hidratar a pele ressecada e desnutrida. Essa prática está em evidência, e os banhos são feitos em clínicas de estética, mas já existem produtos próprios à base de cacau para serem preparados em casa.

O chocolate, dessa forma, não parece ser nem de longe o vilão da história, mas estudos comprovam que ele possui em sua composição uma química venenosa. O composto mais potente do chocolate, um alcaloide de planta chamada teobromina, que é ligeiramente amargo ao paladar, pode ser venenoso para algumas espécies, principalmente para os cães.

O alerta foi feito pela Dog Help Network, uma rede de ajuda aos cães que observou que: “O Dia dos Namorados é o único grande dia no qual os cães são levados para as salas de emergência por causa do chocolate ingerido por eles”.

Muitos dizem que a gordura e o açúcar nos doces fazem bem ao animal, mas o que está em questão é a ingestão do alcaloide teobromina.

O que é um alcaloide?

É uma substância básica que deriva, em sua grande essência, de plantas, mas também pode ser derivada de fungos, bactérias e até mesmo de animais. Contêm em sua fórmula os elementos nitrogênio, oxigênio, hidrogênio e carbono. Normalmente, conhecemos alguns de seus nomes cujo sufixo é ina, como a cafeína (do café, que é chamada de pseudoalcaloide, por ser, na verdade, uma xantina), a cocaína (da coca), a papaverina/morfina/heroína/codeína (da papoula) são alguns exemplos.

Nas plantas, o alcaloide pode existir no estado livre, como sais ou como óxidos, e corresponde aos principais terapêuticos naturais com ação biológica anestésica, analgésica, psicoestimulantes, neurodepressores, etc.

A teobromina no chocolate

 

A teobromina foi descoberta nos grãos de cacau em 1841. Ela é conhecida por possuir um leve efeito estimulante em humanos, o que explica juntamente com os efeitos da cafeína e alguns outros compostos, a ação estimulante e energética que as pessoas têm ao comer chocolate.

No entanto, o excesso de teobromina no organismo humano pode causar náuseas e até mesmo anorexia, segundo relato da National Hazardous Substances Database (Base de Dados Nacional de Substâncias Perigosas): “Afirma-se que ‘em grandes doses’ a teobromina pode causar náuseas e anorexia, e que a ingestão diária de 50-100 gramas de cacau (0,8-1,5 gramas de teobromina) por seres humanos tem sido associada à sudorese, tremor e dor de cabeça”.

Em termos da toxicologia, a dose letal mediana (DL50 ou LD50, do inglês Lethal Dose) é a dose necessária de uma dada substância ou tipo de radiação para matar 50% de uma população em teste. Normalmente, o cálculo é feito a partir dos miligramas da substância por quilograma de massa corporal dos indivíduos testados. O DL50 é usado frequentemente como um indicador da toxicidade aguda de uma substância, e quanto maior a dose que será letal, menos tóxica ela é considerada.

No caso da teobromina, a DL50 é cerca de 1000 mg/kg em humanos. Em gatos é de 200 mg/kg, e em cães é de 300 mg/kg, o que significa que estas duas espécies possuem maior risco. Apesar, dos gatos correrem mais perigo, são os cães os animais mais propensos a ingerir doces. É claro que esse risco varia conforme o tamanho, forma e raça do animal.

Outro dado importante, é que a teobromina concentra-se mais nos chocolates escuros do que naqueles classificados “ao leite” e “branco”. Os efeitos do chocolate escuro para os caninos são agudos, o que indica alta periculosidade.

Foi comprovado que os efeitos da teobromina pode ser clinicamente útil, em pequenas quantidades, pois favorece o aumento da frequência cardíaca, dilata os vasos sanguíneos reduzindo a pressão arterial. Abre as vias aéreas e estimula a produção de urina, considerado assim, um diurético. Tais efeitos em uma pessoa são considerados positivos, se utilizados em um tratamento clínico.

Entretanto, em um cão, todos esses efeitos são adicionados à náusea aguda, convulsões e hemorragia interna. E, em muitos casos, letal para o animal.

Vimos que a teobromina faz mal aos cachorros, e em excesso nos humanos também pode ser perigoso. Mas, calma, nem tudo está perdido. Há um estudo que comprova que o chocolate, consumido com moderação, é claro, pode fazer bem ao coração humano.

Chocolate na prevenção de doenças cardíacas e derrames

De acordo com uma pesquisa feita na Alemanha, o chocolate pode ser bom para o coração, para a grande felicidade dos amantes desse “manjar dos deuses”. O estudo levou oito anos para ser concluído, e a equipe de pesquisa acompanhou a saúde de quase 20.000 pessoas que mantêm o hábito de comer essa guloseima. Os pesquisadores compararam a quantidade de chocolate composta na dieta para o número de ataques cardíacos e derrames que as pessoas tinham. Segundo o pesquisador Brian Buijsse: “A boa notícia é que o chocolate não é tão mau como se costumava pensar, e pode até reduzir o risco de doenças cardíacas e derrame”.

Ainda de acordo com o pesquisador, a equipe descobriu que o chocolate escuro era o tipo mais saudável para comer: “o chocolate escuro apresenta efeitos fantásticos, já o chocolate ao leite apresenta menos, e o chocolate branco não possui efeitos”, disse ele.

O estudo alemão revelou que as pessoas que comiam chocolate (em barra, e uma por semana), reduziam o risco de ter um ataque cardíaco em 27%. O risco de sofrer um acidente vascular cerebral (AVC) foi reduzido em até 48%. Os especialistas em nutrição acreditam que o que faz bem ao coração são os flavonoides compostos no chocolate.

Flavonoides ou bioflavonoides é a designação dada a um grande grupo de metabólitos secundários da classe dos polifenóis, componentes de baixo peso molecular, e que são encontrados em várias espécies vegetais. Os diferentes tipos de flavonoides são encontrados em frutas, flores e vegetais em geral, bem como em alimentos processados como vinho e chá.

Os flavonoides são encontrados nas sementes de cacau, por isso o chocolate escuro tem mais efeito, pois possui mais cacau. O chocolate ao leite, por sua vez, tem mais gordura do que cacau.

Foto: Reprodução / Portaldodog.com.br

A pesquisa também mostrou que esses flavonoides presentes no chocolate também ajudam na redução da pressão arterial (mesmo efeito produzido pela teobromina). Entretanto, Buijsse alerta quanto ao consumo excessivo de chocolate: “Comer quantidades elevadas de chocolate mais contribuem para um provável ganho de peso que qualquer outra coisa. O ideal seria que as pessoas começassem a comer chocolate em pequenas quantidades substituindo, de preferência, outros alimentos de alto teor calórico como lanches ou outros tipos de doce”.Qual é a conclusão que podemos tirar disso? Primeiro, não dê chocolate aos cães. A teobromina contida nesse doce faz mal a eles, e, além disso, existem inúmeros alimentos nutritivos e incrivelmente saborosos que farão a alegria de seus mascotes

Segundo, o chocolate possui pontos positivos e negativos pautados em pesquisas feitas em laboratório, que mostram que você não precisa cortar o chocolate radicalmente da sua vida, mas também não deve cometer o erro de comê-lo aos montes. O excesso é prejudicial em qualquer aspecto, e isso não é segredo para ninguém.

O dramaturgo romano Plauto (230 a.C – 180 a.C), já sabia disso antes da comprovação de qualquer pesquisa científica e deixa a dica: “Todo excesso traz para as pessoas muita preocupação

Curiosidades na internet

Bebê é salvo após ficar três dias em saco de gelo

Acesse:http://noticias.r7.com/saude/bebe-e-salvo-apos-ficar-tres-dias-em-saco-de-gelo-05052013

Procedimento de resfriamento foi feito em Cambridge, na Inglaterra

Lily ficou duas semanas em tratamento Reprodução The Sun

Um bebê ficou por três dias dentro de um saco de gelo para diminuir a sua temperatura do corpo logo após nascer. De acordo com o jornal The Sun, Tiny Lily Cracknell nasceu com a temperatura do corpo aproximadamente de 37° C e corria risco de inchaço do cérebro, o que poderia matá-la.

Lily ficou com a respiração comprometida durante o parto e após o nascimento deixou o seu cérebro privado de oxigênio. Os médicos apontaram o saco de gelo como a única forma do bebê sobreviver.

A intenção dos médicos é que o resfriamento diminuísse a temperatura para 35,5°. O procedimento foi feito por especialistas em resfriamento no Hospital de Addenbrook, em Cambridge, na Inglaterra.

Bebê morre por suposta falta de higiene em hospital

Depois de duas semanas de internação Lily recebeu alta. Hoje ela tem dois anos e meio e vive uma vida como qualquer criança.

A mãe  Rebecca Haster foi diagnosticada com pré-eclâmpsia, uma doença que pode ser fatal, quando tinha 36 semanas de gestação e admite ao jornal que é inacreditável o procedimento.

— Ela pode ser pequena, mas ela é uma lutadora. Quando digo às pessoas que Lily foi colocado em um saco de gelo, ninguém acredita. Sou muito grata aos médicos por salvá-la.

Curiosidades na internet

Felix Baumgartner fez o maior salto em queda livre do mundo

Acesse:http://www.oficinadanet.com.br/post/9114-transmissao-aovivo-do-maior-salto-de-paraquedas-do-mundo-120-mil-pes

Acompanhe o maior salto de paraquedas do mundo, com 120 mil pés de altura, a Red Bull Stratos vai testar os limites humanos enviando Felix Baumgartner. A meta central do projeto Red Bull Stratos é coletar dados valiosos para a ciência que possam ajudar a melhorar a segurança das viagens espaciais

Felix Baumgartner fez o maior salto em queda livre do mundo

UPDATE: Felix Baumgartner pulou de cerca de de 128 mil pés, um pouco mais de 39km de altura, de uma capsula projetada para o salto. Bateu o recorde de maior salto livre da história. E quebrou o recorde de velocidade em queda livre, com velocidade de 729 mph, 1.173 km/h, quebrou a barreira do som. E você assistiu tudo pela internet.

Ele subiu em um balão dentro de uma cápsula presurizada para garantir a subida que foi em velocidade média de 5 Mph.

UPDATE 2: A subida demorou 2h30min. Para saltar, ele teve de respirar oxigênio puro para eliminar o nitrogênio de seu sangue, que poderia se expandir em alturas elevadas e com isso ameaçar sua saúde. A queda livre durou 4:20 min.

Um pouco da história deste evento:

O atleta austríaco de esportes radicais teve que suportar vários adiamentos, mas agora está aliviado com o início da contagem regressiva para sua tentativa de se tornar o primeiro homem a quebrar a barreira do som em queda livre, registrando quatro recordes mundiais no processo.

“Sinto-me como um tigre enjaulado, esperando para sair”, disse Baumgartner, de 43 anos, um dos mais celebrados atletas radicais e B.A.S.E. jumpers do mundo, que em 2003 se tornou a primeira pessoa a fazer um voo em queda livre através do Canal da Mancha com a ajuda de uma asa de carbono. Ele estará voando em velocidade superior à de uma bala durante sua viagem supersônica para a Terra.

Baumgartner e a equipe do Red Bull Stratos estão se preparando há anos para quebrar o recorde de salto em altitude, eclipsando a marca estabelecida há mais de 52 anos. A cápsula, que, com 1.215kg, pesa um pouco mais do que um New Beetle da Volkswagen, foi danificada em um pouso difícil depois do teste de salto final de Baumgartner de uma altitude quase recorde de 29.610 metros em julho – durante o salto, Baumgartner caía em queda livre a uma velocidade superior a 864 quilômetros por hora, ou tão rápido quanto um avião comercial.

A meta central do projeto Red Bull Stratos é coletar dados valiosos para a ciência que possam ajudar a melhorar a segurança das viagens espaciais e capacitar fugas em alta altitude de espaçonaves. O salto também vai tentar quebrar vários recordes, como o de maior velocidade em queda livre, o de salto mais alto, o de voo mais alto em um balão tripulado e o da queda livre mais longa.

Fotos do pulo:

Curiosidades na internet

Alemães criam controle de temperatura individual para poltronas de aviões

Acesse:http://canaltech.com.br/noticia/produtos/Alemaes-criam-controle-de-temperatura-individual-para-assentos-em-avioes/

Temperatura individual para poltronas de aviões

Hoje, A temperatura nos aviões é controlada a partir de uma central – o mesmo para toda a cabine. Mas cientistas alemães apresentaram o primeiro protótipo de controle individual de temperatura durante a ILA Air Show, em Berlim. As informações são do site Gizmag.

Os aviões comerciais circulam a uma altura de aproximadamente 10 mil metros e por isso, suas cabines precisam ser pressurizadas, não apenas para o conforto dos passageiros, mas também para mantê-los vivos. Esse processo de pressurização é feito pelo sangramento do ar comprimido pelos motores a jato, resfriando-o e depois enviando-o para a cabine.

A pressurização da cabine transforma o ambiente interno do avião em algo não muito agradável para os passageiros por ter menos oxigênio do que o normal e também, porque torna o ambiente muitas vezes mais abafado. Devido a falta de umidade, é ideal que haja um ajuste nesse aspecto para garantir mais conforto aos passageiros.

Poltronas com controle de temperatura

Os testes foram realizados com a parte dianteira de um Airbus A310

Especialistas afirmam que a baixa umidade do ar dentro dos aviões é necessária para não comprometer a fuselagem do avião e, atualmente, a única forma encontrada pelas companhias aéreas e pelos passageiros para melhorar as condições do ar é o uso de ventiladores comuns.

Como o ajuste de umidade na cabine inteira não é viável, os cientistas do Fraunhofer Institute for Building Physics (IBP), em parceria com outras nove empresas, estão desenvolvendo uma poltrona para aviões com aquecimento e ventilação individual e um suprimento de ar ajustável.

Os novos assentos utilizam entradas de ar integradas aos braços e encostos das poltronas. Durante o processo de desenvolvimento, os pesquisadores simularam as correntes de ar para as diferentes configurações de cadeiras, além de qual o nível de controle sobre as configurações os passageiros devem ter.

Os testes com o novo sistema de controle de temperatura individual foram realizados com a parte dianteira de um Airbus A310, no interior de um tubo de 30 metros de extensão. Com isso, os cientistas puderam testar o sistema em uma cabine despressurizada a mais de 13 mil metros de altura e com ela pressurizada a 2.100 metros.

Os cinquenta participantes do ‘voo’ de teste puderam testar o sistema e avaliar quais as definições de temperatura individuais foram as mais agradáveis.

Por enquanto, os cientistas ainda não sabem quando o sistema passará a integrar os novos modelos de aeronaves. E, muito provavelmente, esse recurso deverá estar disponível apenas para os viajantes felizardos da primeira classe.

Curiosidades na internet