Sensores de gestos para computador devem rivalizar com teclado e mouse

Acesse:http://www1.folha.uol.com.br/tec/1170254-sensores-de-gestos-para-computador-devem-rivalizar-com-teclado-e-mouse.shtml

Interfaces mudam, processadores vêm e vão, mas o teclado e seu fiel escudeiro, o mouse, fazem parte do computador há, pelo menos, 30 anos. Agora, eles podem se encontrar diante de uma dura competição, graças a duas tecnologias de sensores de gestos que reduzem drasticamente a porção de digitação e de cliques necessários para controlar parte dos computadores.

Por meio do rastreamento preciso dos movimentos das mãos, o protótipo fixado ao pulso do projeto Digits, desenvolvido por uma equipe de pesquisa da Microsoft em Cambridge (Reino Unido), permite que os gestos sejam comunicados em tempo real com qualquer dispositivo conectado.

Um conjunto de LEDs incrustados em uma munhequeira de plástico se projeta numa luz infravermelha de retorno na parte de fora dos dedos dos usuários. O laser ilumina a mão transversalmente a fim de realçar a orientação dos dedos. Uma câmera, então, lê os reflexos, e um software desenvolve um modelo de movimento de mãos que é aprimorado para cada centésimo de centímetro.

David Kim, líder do projeto, diz que o Digits nasceu do desejo por uma tecnologia mais precisa do que o sensor de games da companhia, o Kinect, feito para o Xbox 360. A intenção era rastrear o movimento sem vincular o usuário a quaisquer dispositivos em particular. “Temos usado tecnologias que são pequenas e que usam menos energia”, afirma ele. “Isso não deve interferir na atividade diária, e nós queremos possibilitar a interação contínua”, prossegue.

TUDO NO PUNHO

O dispositivo é do tamanho de duas bolas de pingue-pongue juntas, e atualmente precisa ser vinculado a um computador. Mas Kim planeja diminuir isso para o tamanho de um relógio de pulso –e fazê-lo funcionar por wireless. Em uma demonstração na semana passada durante um simpósio de interface de software e tecnologia de usuários em Cambridge, Massachusetts (EUA), o sistema foi apresentado controlando videogames, smartphones e computadores.

O sistema Digits não é o primeiro dispositivo desse tipo. O sensor Leap Motion, da companhia homônima de San Francisco, funciona em um desktop lendo um número de gestos diferentes enquanto usuários navegam suas mãos por ele. A companhia ainda não divulgou detalhes sobre como o sensor funciona.

Digits é “realmente uma ótima amostra de trabalho”, afirma Thad Starner, do Instituto de Tecnologia da Geórgia, em Atlanta, que também está na liderança tecnológica do Project Glass, do Google.

Ele ainda está nos seus estágios incipientes, diz Starner, que vem usando um computador portátil por quase 20 anos. No entanto, ele está entusiasmado com o potencial de interfaces de controle sensitivas e precisas denominadas “heads-up displays”, como o Google Glass –que parece um par de óculos sem lentes, e permite aos usuários ver dados sem a necessidade de movimentar a cabeça– ou melhor, o seu próprio traje criado sob medida para ele mesmo.

 
Foto captada com o Google Glass por um dos fotógrafos selecionados para o Google+ Photographer’s Conference

SIMBIOSE DE HOMEM E MÁQUINA

“Você pode imaginar o uso de dispositivos com movimentos sutis, realmente”, diz Starner.

“Eu costumava usar [o Google Glass] em sala de aula para elencar as anotações enquanto ensinava”, continua. O dispositivo de Starner fornecia informação em um display diante do seu olho esquerdo. Durante uma entrevista por telefone com a “New Scientist”, um software de reconhecimento de voz “ouvindo” a conversa listou os e-mails que ele trocara com a revista no passado.

Depois, o sistema puxou uma tese estudantil sobre interação rápida com dispositivos eletrônicos em seu campo de visão, considerada relevante para a discussão.
Starner diz que o real poder do Digits vai estar em reconhecimento contínuo – a habilidade para não apenas identificar comandos autônomos, como pressionar o polegar e listar alfabeticamente para saltar a uma faixa no seu iPod, mas para interpretar movimentos de mão em sequência.

A adição de computadores portáteis ao arsenal de interfaces humano-computacionais representa uma “simbiose de homem e máquina que nunca foi vista antes”, diz Starner. “Dar acesso a dados em uma fração de segundo faz de você mais poderoso, a ter mais controle sobre a sua vida. Isso está nos levando a um estágio onde usamos sistemas sem pensar”, finaliza.

Curiosidades na internet